17.8.13

Fleuma

Quantas vezes tantas vozes,
tanto ruído de fundo,
quantos dentes sem as nozes
tantas vezes, quanto mundo,

não direi o mundo todo,
pois se o dissesse mentia,
mas digo de qualquer modo
tantas vezes quanta azia,

e muito mais que a azia
que se agrava com a afronta
quantas vezes, quem diria,
apesar da língua pronta,

a melhor resposta acode
quando a fleuma implode

Domingos da Mota

[inédito]

2 comentários:

  1. "...
    e muito mais que a azia
    que se agrava com a afronta
    quantas vezes, quem diria,
    apesar da língua pronta,
    ..."

    Muito mais. Muito mais. E eu que nem sou de violências apetece-me às vezes pegar na pá e fazer-me de Padeira de Aljubarrota...

    "Quantas vezes tantas vozes,
    tanto ruído de fundo,
    quantos dentes sem as nozes
    tantas vezes, quanto mundo,
    ..."

    soubesse eu cantar esta musicalidade... e sentir-me assim... poeta!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há alturas para tudo: com a pá ou sem a pá da Padeira de Aljubarrota, importa é que a resposta apareça; mas ao contrário da "dobrada à moda do Porto", parafraseando o ditado, a fleuma serve-se fria.

      Eliminar