13.11.13

Amargo de boca

Indago sobre a perda dos amigos,
se estes sem a mínima alusão
a quaisquer desenganos ou perigos,
abalam simplesmente, e lá se vão,

partindo sem dizer se vão sentidos
comigo, com o gato ou com o cão
(que mesmo sem miados e latidos,
reagem à menor perturbação).

Sendo assim com amigos virtuais,
bem pior quando alguns foram reais
e deixaram de o ser, subitamente,

por razões obscuras, ilegíveis
para quem sonda as causas plausíveis
do amargo de boca, tão presente.

Domingos da Mota

[Inédito]

4 comentários:

  1. Não chore aquele que fugiu,
    não era amigo
    Abrace o que ficou a seu lado.
    Porque a amizade
    Não se vende, nem se compra.
    É como água que brota
    Da nascente
    Límpida e transparente.

    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não há aqui qualquer lágrima, nem furtiva; só um ligeiro aumento da acidez gástrica, que no fundo se resolve com o anti-
      ácido que é o tempo. Obrigado.

      Eliminar
  2. Respostas
    1. André Foltran,

      Grato pela apreciação.

      Eliminar