4.4.14

Rascunho

Assim vai o poema: ensaio, escrevo,
apago, e dou voltas e mais voltas
em redor de palavras que não devo,
deixando as que devia, desenvoltas

a sair do rascunho, de viés,
um borrão abstracto que as desasa,
pois decidem fugir a sete pés
em busca de melhor, dum golpe d'asa

que as guinde até aos cumes impossíveis
de serem atingidos por alguém
que não tenha olhos d'águia, concebíveis
somente para alguns, esses a quem

consagro o que perdura, neste esboço,
dum poema esburgado até ao osso.

Domingos da Mota

[inédito]

2 comentários:

  1. As que ficaram esboçam a intensidade das que se foram, deixando um perfume no ar, belo poema!!!!
    Susana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pela apreciação.

      Eliminar