27.3.15

Oh!

Da leveza das pernas, oh, o vértice;
oh, a boca do corpo, se a vertigem
alucina o desejo sem um óbice,
um óbice que seja duma virgem;
do vértice do corpo, dessa boca
que incendeia a volúpia, de tão ávida
e entumece os poros, de tão sôfrega
e afogueia os lábios, de tão cálida;
do vértice, da boca, do seu vórtice,
do frémito orgástico, e depois
do fogo que se veio, ardeu e foi-se,
deixando revolvidos os lençóis,
as pernas pensativas, e, num ápice,
o ciúme que gela e turva o cálice.

Domingos da Mota

[inédito]

Sem comentários:

Enviar um comentário