10.7.15

Elegia para o gato morto

Com os olhos pregados no infinito,
no mais fundo de si, já revirados
e os bigodes suspensos pelo grito
que alvoraça as pombas nos telhados

e com o céu da boca, se aflito,
mesmo à beira do fim, agoniado
e o pêlo sedoso, tão esquisito,
de súbito a ficar amarrotado,

na procura apressada de outra vida
renascida das sete que viveu,
que não vê, não encontra, pois perdida
como alma penada lá no céu

dos gatos: foi assim, quase descrente,
que vi o gato morto, de repente.

Domingos da Mota

[revisto]

Sem comentários:

Enviar um comentário