5.10.15

Nervos

Fossem d'aço temperado
os teus nervos sempre que
o horizonte apontado
derrapasse, mesmo se
com o passo extenuado,
tropeçando em cada pé,
resistisses pendurado
no buraco que se vê.
Quantos nervos sem um esgar
se mantém, mas tu não,
impassíveis e apesar
do que rói o coração
e tão frios, afinal,
como o aço dum punhal.

Domingos da Mota

Sem comentários:

Enviar um comentário