3.10.15

Oh, virgens peripatéticas!

Oh, virgens apologéticas,
vozes do dono, a quem,
louvaminheiras frenéticas,
enalteceis o desdém
por tudo o que possa ter
uma fímbria de lisura,
de oposição a valer
contra o lápis da censura;

concubinas de alta-roda,
sicofantas do poder
que glosais sobre a coda
dos interesses que houver
e das suas dialécticas,
oh, virgens peripatéticas!

Domingos da Mota

[revisto] 

Sem comentários:

Enviar um comentário