4.11.15

A Balada de Narayama

     (Narayama-Bushiko, Shohei Imamura, 1983)


O tempo urge. E a montanha além
já te vê com os olhos pedregosos;
se a quiseres subir, não tens ninguém
que te ponha no cimo. Sinuosos
são os trilhos perversos que ameaçam
do sopé da montanha até ao cume;
e os sinais abundantes espicaçam,
quando mostram, além do azedume,
as mãos interesseiras que simulam
a manta mal dobrada atrás das costas,
enquanto, entre dentes, especulam
sobre o ónus da vida com que arrostas
e que aponta aos que atingem os setenta
o pico da montanha pardacenta.

Domingos da Mota

[inédito]

Sem comentários:

Enviar um comentário