30.11.15

ELEGIA EM DÓ MENOR

Não procuro dos outros o que tenho,
mas ainda procuro o que me falta
e se sei onde estou e donde venho
(morri no hospital e deram-me alta),

não irei carregar mais o sobrolho,
pôr no prego um verso já maduro
e gastar tanta cera com o olho
que acenda um pavio no escuro

Não minto se disser que além do fogo
são as cinzas que ferram as canelas
e quando os sentir no corpo todo
serei filho do pó e das estrelas

E apesar de escutar os violinos
não darei mais badalos para os sinos

Domingos da Mota

Bolsa de Valores e Outros Poemas, Temas Originais, Lda., Coimbra, 2010


Sem comentários:

Enviar um comentário