2.4.16

(po)éticas

das artes e dos ofícios
das virtudes e dos vícios

e das aspas elegantes
que não são uns elefantes

e até cabem num poema
mais leves que uma pena

do perfil de quem o faz
da matriz da sua fonte

e de não se andar a monte
a roubar com tanta paz

e das palavras em riste
e dum tal desassossego

e da arte que resiste
e não põe o amor no prego

e de ser só vertical
apesar de haver maiores

e bem melhores por sinal

Domingos da Mota

[revisto]

Sem comentários:

Enviar um comentário