6.5.16

Os olhos

Os olhos cansados
de fiar debruam
de luar, de breu,
de bruma, as cordas
negras do tear
espesso do tempo
que se esfuma.

Domingos da Mota

[revisto]

Sem comentários:

Enviar um comentário