8.8.16

Matar a sede

Quando move e agita e bamboleia
as ancas curvilíneas, cativantes
e simula os requebros de sereia
e desafoga os seios perturbantes
e o faz preparada para as curvas,
sem contar com as rectas que planeia
(não propaga torrentes de águas turvas,
vazadas por quem muito garganteia);
quando mexe e meneia o corpo todo,
semelhante a um rio cujo lodo
submerge num leito de água pura,
que fazer ao desejo, se apetece
matar a sede, mas a fome aquece,
e quanto mais aquece, mais loucura?

Domingos da Mota

[inédito]

1 comentário: