12.8.16

Num puro ápice

     (...) - Mais servira, se não fora
     Para tão longo amor tão curta a vida.

     Luís de Camões


Para tão longo amor tão curta a vida.
Mas apesar de curta, aliás, curtíssima,
o amor quando sente a luz ferida,
procura comprazer a urgentíssima
vontade de viver e ver o instante
como sendo infinito, imperecível,
e sonha com a fresca e fascinante
nascente copiosa, inexaurível.
E sôfrega que seja a sua sede
dessa fonte plena de água pura,
o amor pede mais e, enquanto pede,
não deixa de sentir a abrasadura
que bebe gota a gota, como um cálice
de longa duração, num puro ápice.

Domingos da Mota

[inédito]

Sem comentários:

Enviar um comentário