24.9.16

IN MEMORIAM

                    ao meu Pai


Fosses vivo e terias

agora uns cento e cinco,
partiste há sessenta e dois,
tinha eu sete e como sinto
a falta que me fizeste,
mais do que pão para a boca,
o vazio que deixaste
neste caminho de pedras,
de falta de ar que sufoca
quem tem de subir a pulso
e dá com o nariz na porta,
uma e outra e outra vez
e quando a porta se abre,
numa fila aguarda a vez,
mas raramente lá cabe.
Partiste há sessenta e dois,
muitos anos de distância:
quantos mais virão depois,
minha douta ignorância?

Domingos da Mota


24 de Setembro de 2016


[inédito]


2 comentários:

  1. Enquanto vierem, a memória mantém-se.

    Boa tarde, Domingos :)

    ResponderEliminar