1.9.16

Soneto das eiras

As eiras e o palheiro e o canastro
com a pequena horta rodeados
não de pedras ou vasos de alabastro,
mas de mais espigueiros restaurados
na soalheira sala de visitas
da terra que me viu nascer um dia
são o quadro outrora das colheitas
que lembro com alguma nostalgia.
Pudesse construir lá um casebre,
um telheiro, uma casa, com bem-estar,
para então repousar, antes do fim;
mas sendo a vida claramente breve,
o mais certo será continuar
a decantar as eiras de Cedrim.

Domingos da Mota

[inédito]

Sem comentários:

Enviar um comentário