10.10.16

Maratona

Amanhã se verá,
havendo olhos atentos
ao que houver para ser visto:
se muito ou pouco, mesmo
nada, vá, por aqui continuo,

sigo, insisto, enquanto vir
um dia atrás do outro
e essoutro prosseguir
o seu caminho sem apressar
a vinda daqueloutro que há dias

derrubou o meu vizinho.
Nesta maratona, olho
em volta e sinto como o tempo
estuga o passo, e vejo como
a lebre foge e salta

e acirra os que sofrem
de cansaço e por vezes
tropeçam, resfolegam
e bem perto da meta,
não a enxergam.

Domingos da Mota

[inédito]

Sem comentários:

Enviar um comentário