26.3.17

Há que franzir

Troco? Destroco? Não troco?
Falo? Respondo? Dou troco?
Calo? Engulo? Emborco?
Encharco? Caio de borco?

E assim caído, sufoco?
E amachucado e torto
Praguejo como se louco?
Ou faço-me então de morto?

E se respondo e returco
E se contesto e debato,
Julgarão que sou zaruco
Ou pior, que sou um chato,

Uma melga, um piolho?
Há que franzir o sobrolho.

Domingos da Mota

[inédito]

Sem comentários:

Enviar um comentário