6.4.17

Espelho

     a partir de Fernando Pessoa


Se a criança
que fui me visse
(se visse ao espelho
anos depois),
e ao ver as rugas
até sorrisse,
se olhasse bem,
veria dois:
tão diferentes
que são agora.
Mas a criança
ficou lá fora,
anda às amoras,
cai no silvado.
Enquanto eu,
olhando outrora,
vejo que o espelho
está quebrado.

Domingos da Mota

[revisto]

Sem comentários:

Enviar um comentário