15/12/2017

Poema para 2017

Agora que a memória já se perde
e não encontra a fórmula exacta,
no momento preciso, quando deve
distinguir uma ideia abstracta
de uma noção concreta, por exemplo,
que dia da semana, de que mês,
de que ano da graça, qual o duplo
dos amigos reais, se mais que três;
e uma vez que me esqueço até dos nomes
de tantos que comigo trabalharam,
apelidos, alcunhas, sobrenomes,
tendo em conta os neurónios que murcharam,
antes que se apague mais algum,
bem-vindos sejam os meus setenta e um

Domingos da Mota

[inédito]

Sem comentários:

Enviar um comentário