19.12.11

SONETO DE PASSAGEM

Das águas corredias da memória
emergem os liames da incerteza:
retêm lendas, mitos e a história
das crenças, das ideais e a beleza

das artes, dos ofícios, da cultura,
e de terras fecundas e até sáfaras
que foram ou serão a sepultura
de quem partiu do fio das diásporas.

É veloz o decurso desta vida:
um dia após o outro e, de repente,
já fomos, e o que sobra à despedida
oxalá fosse pasto de semente:

de novo sentiríamos o sol,
quem sabe se flor, se rouxinol.

Domingos da Mota

(publicado também aqui).

4 comentários:

  1. Olá, amigo poeta! Tem um presente de Natal para você no Távola de Estrelas!Desejamos a você votos dum Natal muito Feliz e de um Ano Novo Maravilhoso!

    abraços,

    JouElam & Dani

    Távola de Estrelas: http://jorgemanueledanieledallavecchia.blogspot.com/2011/12/um-selinho-pra-voce.html

    ResponderEliminar
  2. Caro JouElam, visitei o Távola de Estrelas, e agradeço o presente. Retribuo os votos de um feliz Natal e de um excelente Ano Novo.

    ResponderEliminar
  3. Meu amigo, passo aqui, releio, me expando em seu sol poesia e junto desejo um ótimo Natal e Festas de final de Ano.

    Carinho, beijos e seguimos.

    Carmen.

    ResponderEliminar
  4. Carmen Silvia Presotto,

    Agradeço-lhe a visita e retribuo os votos de um Feliz Natal de um Bom Ano Novo.

    ResponderEliminar