10/03/2012

A CONSTRUÇÃO DO CORPO

Sempre a tentativa nunca vã...
O equilíbrio musical dos instrumentos,
a paciência do teu pulso suave e certo,
o teu rosto mais largo e a calma força
que sobe e que modelas palmo a palmo,
rio que ascende como um tronco em plena sala.
A tua casa habita entre o silêncio e o dia.
Entre a calma e a luz o movimento é livre.

Acordar a leve chama veia a veia,
erguê-la do fundo e solta propagá-la
aos membros e ao ventre, até ao peito e às mãos
e que a cabeça ascenda, cordial corola plena.
Todo o corpo é uma onda, uma coluna flexível.
Respiras lentamente. A terra inteira é viva.
E sentes o teu sangue harmonioso e livre
correr ligado à água, ao ar, ao fogo lúcido.

No interior centro cálido abre-se a flor de luz,
rigor suave e óleo, música de músculos, roda
lenta girando das ancas ao busto ondeado
e cada vez mais ampla a onda livre ondula
a todo o corpo uno, num respirar de vela.
Sobre a toalha de água, à luz de um sol real,
dança e respira, respira e dança a vida,
o seu corpo é um barco que o próprio mar modela.

António Ramos Rosa

A CONSTRUÇÃO DO CORPO, Portugália Editora, Lisboa, Setembro de 1969

2 comentários:

  1. Bom estar aqui sempre lendo grande poetas, gracias Domingos, um abraço e desejo de boa semana.

    Carmen

    ResponderEliminar
  2. Carmen Silvia Presotto, é sempre bem-vinda.
    Retribuo os votos de uma boa semana.

    ResponderEliminar