25/04/2013

CIDADE DOS OUTROS

Uma terrível atroz imensa
Desonestidade
Cobre a cidade

Há um murmúrio de combinações
Uma telegrafia
Sem gestos sem sinais sem fios

O mal procura o mal e ambos se entendem
Compram e vendem

E com um sabor a coisa morta
A cidade dos outros
Bate à nossa porta

Sophia de Mello Breyner

GRADES, Publicações Dom Quixote, Lisboa, Novembro de 1970

2 comentários:

  1. http://ellaberintogrotesco.blogspot.com.es/2013/09/el-panico-de-sophia-de-mello-breyner.html

    Como ves, otros recordamos la poesía de Sophia. Muy bien tú por hacerlo.

    ResponderEliminar
  2. Ariadna de Asterión,

    Grato pela visita e pelo comentário. A poesia de Sophia merece ser lida e divulgada.

    ResponderEliminar