23.5.15

A veia

Perdi a veia, ou melhor, se a tive,
alguma vez teria de a perder;
se uma veia com tónus sobrevive,
uma veia poética a valer
exprime-se do jeito de quem vive
de modo a dizer o indizível,
por muito que jamais se perspective
a forma de torná-lo atingível.
Perdi a veia, isto é, perdi
aquilo que se ganha em se perder,
esse modus que tanto persegui
com a pobre toada a condizer,
sem saber, todavia, se a matéria
sangrava pela veia ou pela artéria.

Domingos da Mota

[revisto]

1 comentário:

  1. Belíssimo poema e essa veia poética está mais viva do que imaginas !!!!
    Viver a poesia, é sangrar sempre !!!

    Adriane

    ResponderEliminar