19/01/2016

Branco no Branco

V


Um amigo é às vezes o deserto,
outras a água.
Desprende-te do ínfimo rumor
de agosto; nem sempre

um corpo é o lugar da furtiva
luz despida, de carregados
limoeiros de pássaros
e o verão nos cabelos;

é na escura folhagem do sono
que brilha
a pele molhada,
a difícil floração da língua.

O real é a palavra.

Eugénio de Andrade

Branco no Branco, Editora Limiar, Setembro de 1984

Sem comentários:

Enviar um comentário