20/02/2016

Aguardarás o tempo...

Aguardarás o tempo da vindima:
que as uvas sofram, como bem-fazeja
dádiva férvida, o calor de enlevos
que aproximar vai o verão do fim.

E só depois as poderás colher,
e só depois tu poderás fremindo
esmagá-las sem dor     com a leveza
com que se beija um corpo em cio unindo-se.

Aguarda pois. E faz da tua espera
a certeza insuspeita de que um dia
há-de num copo rutilar o vinho -

e nos teus dedos   em papel modesto
fugirá o mistério da vindima
transformado nos versos que nutriste.

António Salvado

Um fio de água, Antologia mínima I, Organização Nicolau Saião, Sirgo, Castelo Branco, 2012

Sem comentários:

Enviar um comentário