17/02/2016

GUERRA E PAZ

Varrida pela chuva a álea rasa,
sai o inverno nesta primavera.
O tempo quis negar-nos sua casa,
a História faz de farsa ou de quimera

prometida por doutos e por santos
que nos levam, de cegos, ao abismo:
folheio pela noite fólios tantos,
que já não sei se sonho no que cismo.

Este tempo não sabe da desgraça,
repete sem cessar a ladainha:
liberdade que nasce em cada praça,
alvorecer enfim que se avizinha!

Mas no amanhecer, entre destroços,
o tempo varre cinzas, restos, ossos.

Luís Filipe Castro Mendes

OUTRO ULISSES REGRESSA A CASA, Assírio & Alvim, Porto, Fevereiro 2016

Sem comentários:

Enviar um comentário