25.4.16

CANTATA, OP. 25

    Habitavas a terra, o comum da terra, e a paixão
     era morada e instrumento de alegria.

     Eugénio de Andrade


Conjugavas as palavras 
transparentes num rio
caudaloso de águas roucas.
Simples, tão ousadas,

tão ardentes soltavam
as paixões de boca em boca.
Palavras limpas, levantadas,
densas, a galope no dorso

do verão. Inteiras? Ateadas?
Ternas? Tensas? -- Traziam
o futuro pela mão. (Tantas
palavras por aí pisadas.

.-- À procura de voz, quantas
estarão? Semeadas na terra?
Agasalhadas? -- Vê o chão
em pousio: este chão).

Domingos da Mota

Bolsa de Valores e Outros Poemas, Temas Originais, Lda., Coimbra, 2010

Sem comentários:

Enviar um comentário