11.11.13

Soneto omnívoro

Pois eu gosto do bucho e da fressura,
dos ossos da suã, da focinheira,
do redanho, do lombo e da assadura,
da morcela de sangue à farinheira;

saboreio o arroz de sarrabulho
e celebro uma quente cabidela,
se o reco for cevado a cascabulho
e de pica no chão se fizer ela;

gosto da burzigada, e da fartança
à mesa duma boa rojoada
(algumas bem me acodem à lembrança,
quando enfrento uma posta de pescada);

omnívoro que sou, de boa boca,
gostava de gostar de mandioca.

Domingos da Mota

[Inédito]

Sem comentários:

Enviar um comentário