15.12.13

Poema para 2013

          sob o estigma da peste grisalha


Não vou somar aquilo que perdi,
sequer subtrair o que ganhei
ao muito que busquei e persegui
para atingir o pouco que apurei;
não vou patentear, mostrar aqui
o mapa dos caminhos que sonhei,
de tantos, tantos sítios que não vi
e que excedem de longe os que trilhei;
não vou apascentar os desenganos,
por muito defraudado que me sinta,
sequer ajoelhar perante os danos;
e mesmo que o tempo me desminta,
apesar do disfórico ferrete,
bem-vindos sejam os meus sessenta e sete

Domingos da Mota

[Inédito]

2 comentários:

  1. Caro Poeta,
    os primeiros 67 anos foram apenas o aquecimento, agora começa a diversão!
    Desejo à você muitas felicidades.
    Abraço,
    Manuela

    ResponderEliminar
  2. Cara Manuela,

    Obrigado pelo generoso comentário.

    DM

    ResponderEliminar