12/03/2018

Suite sem vista

V


Era o tempo das cerejeiras agressivas a avançar
pela rapariga dentro.

As paredes falavam, na suite sem vista,
palavras a avançar

pela rapariga dentro.

A rapariga cobriu-as com papel, folhas
arrancadas ao grande livro fechado

à chave
na gaveta da palavra.

Inês Fonseca Santos

Suite sem vista, Abysmo, Lisboa, Janeiro 2018

Sem comentários:

Enviar um comentário