20/07/2018

ARTE POÉTICA

Este poema tem vírgulas
De sol,
Pausas de sombra,
Suores frios.

Não tem ele outra coisa:

Febre alta,
Ferida aberta,
Cratera nua.

Divindade vulgar,

Ícone destroçado,
Não nos resta senão
Fazê-lo.

Cada um sabe de si

E o poema de todos.

José Pascoal


SOB ESTE TÍTULO, Editorial Minerva, Lisboa, Setembro de 2017

Sem comentários:

Enviar um comentário