01/07/2015

COISAS ACABADAS

Dentro do medo e das suspeitas,
com a mente agitada e os olhos aterrados,
fundimos e planeamos o que fazer
para evitar o perigo
certo que desta forma horrenda nos ameaça.
No entanto, equivocamo-nos, não está esse no caminho;
falsas eram as mensagens
(ou não as ouvimos, ou não as sentimos bem).
Outra catástrofe, que não imaginávamos,
brusca, torrencial, cai sobre nós,
e desprevenidos - como teríamos tempo - arrebata-nos.

Konstandinos Kavafis

POEMAS E PROSAS, Tradução de Joaquim Manuel Magalhães e Nikos Pratsinis, Relógio D'Água Editores, Lisboa, 1994

Sem comentários:

Enviar um comentário