24.1.12

SEM NADA

1.

Confiscaram-me os bens:
árvores,  raízes,  pedras,  folhas soltas,  os saltimbancos da  minha fase
rosa, figuras azuis tremendo de frio, flores ao fundo num cenário de guer-
ra, a colecção das espécies em vias de extinção.

António Ferra

MARIAS PARDAS, & etc, 2011

2 comentários:

  1. E assim ficaremos, sem nada, do geito que vem acontecendo, será exatamente assim."SEM NADA".
    Adirei e já estou te seguindo.
    Felicidades.
    http://wwwavivarcel.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  2. Este é o primeiro poema de uma série de onze, sob este título, SEM NADA, do livro MARIAS PARDAS, do poeta António Ferra.
    Obrigado pela visita e pelo acompanhamento.

    ResponderEliminar