29/04/2012

DOIS CIMBALINOS ESCALDADOS

Não sei, meu amigo, o que
irradiava mais calor, se
a chávena escaldada, se
o cimbalino fervente, se
as conversas sobre livros de poesia
que nesse tempo, ainda
acreditávamos ser a maior
razão

Curto, normal, cheio
o cimbalino, esse negro odor
com moldura branca
numa mesa de café, na cidade
onde habitávamos desde sempre.

Inês Lourenço

Sete poemas, in Revista de Poesia Relâmpago N.º 28, Abril de 2011, Ano XIV.

Sem comentários:

Enviar um comentário