21/07/2012

ARANHAS

Retomam nesta casa o solitário
trabalho de mil séculos

Ei-las de novo aqui   No seu mistério
cresce o frio silêncio
das vozes de outro tempo   Aprisionam
na surdina da noite essa memória
de outros aniversários
em corpos como o teu   Se reparares
serás apenas isso
insecto tão incerto como um espectro
um dia vivo mas outrora agora
envolto num sudário
perdido no seu canto   Desde sempre
as aranhas
tecem o seu império
esquecido labirinto onde procuram
o centro do universo

Fernando Pinto do Amaral

PALIATIVOS, Língua Morta, Maio de 2012

Sem comentários:

Enviar um comentário