18/07/2012

CONDIÇÃO

Nada é abençoado. Permanecemos
sobre a terra sem ter para onde ir,
mesmo quando julgamos ser o excêntrico
centro cego do mundo. Encurralados,
olhando em volta, ficam desertos os olhos,
e nada nos pertence. Este é o tempo
medido com o sangue e o seu pulsar finito.

Nuno Dempster

ELEGIAS DE CRONOS, Edições Artefacto, Lisboa, Junho de 2012

Sem comentários:

Enviar um comentário