19/10/2012

Manuel António Pina [1943-2012]

Completas


A meu favor tenho o teu olhar
testemunhando por mim
perante juízes terríveis:
a morte, os amigos, os inimigos.

E aqueles que me assaltam
à noite na solidão do quarto
refugiam-se em fundos sítios dentro de mim
quando de manhã o teu olhar ilumina o quarto.

Protege-me com ele, com o teu olhar,
dos demónios da noite e das aflições do dia,
fala em voz alta, não deixes que adormeça,
afasta de mim o pecado da infelicidade.

Manuel António Pina

POESIA, SAUDADE DA PROSA uma antologia pessoal, Assírio & Alvim, Lisboa, 2011

2 comentários:

  1. Este poema é brutal!
    Lindo...lindo.

    Mas, eu devia ser proibida de ler estes poemas quando tenho a melancolia colada à pele.

    Obrigada pela partilha :)

    ResponderEliminar