20/02/2015

COMUNS

Criaste e destruíste:
o que nasceu   morreu
o que morreu   nasceu:
um círculo cresceu
de um outro círculo
e a linha recta fez-se
no tempo labirinto
e o perdido no ermo
ganhou luz no destino --
e todo o recriado
e todo o destruído
foram ambos à face
comuns da tua vida.

António Salvado

Essa Estória, Portugália Editora, Junho de 2008

Sem comentários:

Enviar um comentário