24.3.15

Herberto Helder (1930-2015)

Se perguntarem: das artes do mundo?
Das artes do mundo escolho a de ver cometas
despenharem-se
nas grandes massas de água: depois, as brasas pelos recantos,
charcos entre elas.
Quero na escuridão revolvida pelas luzes
ganhar baptismo, ofício.
Queimado nas orlas de fogo das poças.
O meu nome é esse.
E os dias atravessam as noites até aos outros dias, as noites
caem dentro dos disa - e eu estudo
astros desmoronados, mananciais, o segredo.

Herberto Helder

DO MUNDO, Assírio & Alvim, Lisboa, Outubro de 1994

Sem comentários:

Enviar um comentário