05/01/2017

(ser pedra)

com os pulsos abertos,
escrevi a vida nas pedras,
o sangue era a tinta,
escrevi até ser pedra.

Sérgio Ninguém

PEDRA, Edição de autor [COLECÇÃO: POETAS DA EUFEME], Novembro de 2016

Sem comentários:

Enviar um comentário