10.1.13

À Espera dos Bárbaros (Konstantinos Kaváfis)

O que esperamos na ágora reunidos?

É que os bárbaros chegam hoje.

Por que tanta apatia no senado?
Os senadores não legislam mais?

É que os bárbaros chegam hoje.
Que leis hão de fazer os senadores?
Os bárbaros que chegam as farão.

Por que o imperador se ergueu tão cedo
e de coroa solene se assentou
em seu trono, à porta magna da cidade?

É que os bárbaros chegam hoje.
O nosso imperador conta saudar
o chefe deles. Tem pronto para dar-lhe
um pergaminho no qual estão escritos
muitos nomes e títulos.

Por que hoje os dois cônsules e os pretores
usam togas de púrpura, bordadas,
e pulseiras com grandes ametistas
e anéis com tais brilhantes e esmeraldas?
Por que hoje empunham bastões tão preciosos
de ouro e prata finamente cravejados?

É que os bárbaros chegam hoje,
tais coisas os deslumbram.

Poe que não vêm os dignos oradores
derramar o seu verbo como sempre?

Konstandinos Kavafis

Trecho de "À Espera dos Bárbaros", de Konstantinos Kaváfis,
Tradução, José Paulo Paes

(Carlos Willian Leite, Os 10 melhores poemas de todos os tempos, Opção Cultural, Jornal Opção)

Sem comentários:

Enviar um comentário