01/01/2013

Arte poética

Por cada verso feito quantas noites
desfeitas e mulheres transfiguradas,
madrugadas, cidades, auto-estradas,
montes de cartas, mortos e ausentes.

Por cada verso feito me despeço
dêste mundo, em pedaços repartido,
pois só consigo reunir-me quando fundo
império de poema nunca escrito.

António Barahona

O Som do Sôpro, Lisboa, Poesia Incompleta, in RESUMO poesia em 2011, poemas escolhidos por Armando Silva Carvalho, José Alberto Oliveira, Luís Miguel Queirós, Manuel de Freitas, Assírio & Alvim, Março de 2012

Sem comentários:

Enviar um comentário